Tuesday

Jóias - Pedras - Diamantes - Revista - PORTUGAL GEMAS MAGAZINE DIGITAL





PORTUGAL GEMAS MAGAZINE DIGITAL DE GEMAS E JOALHARIA
Apart. 2026 *
2706-909 Sintra * Portugal
tel. +351 219 242 468
e-mail. portugalgemas@labgem.org
URL. http://www.labgem.org/




Friday

Jóias - fabrico - técnicas - CRAVAÇÃO

Desenhado em Rhinoceros/Rhinogold
por Cristina Jorge











Tipos de Virola







Texto a seguir adaptado de http://ajoalheria.blogspot.com/2008_05_01_archive.html




Cravação com garras - a gema é presa à jóia de prata ou ouro através de garras. Podemos ter três, quatro, cinco ou seis garras. O acabamento das garras pode ser variado.

Cravação inglesa - a gema é presa à jóia de prata ou ouro por um aro de metal que exerce pressão em toda a volta.

Cravação Inglesinha - é feito um furo na chapa onde a gema é colocada e fixada pela prata ou ouro , que é empurrado por todo seu contorno.

Cravação Pavê - a cravação em pavê é uma pavimentação da superfície da jóia de prata ou ouro com gemas, normalmente calibradas (tamanhos uniformes), dispostas muito próximas, cobrindo toda a superfície desejada. As gemas são acomodadas em furos e presas à placa por pequenos grãos de metal, que são levantados usando-se o buril. Muito usada na alta joalharia.

Cravação grão - mesmo processo utilizado na cravação pavê. No entanto, é usado para engaste individual de gemas. Uma caixa é entalhada, e a gema emoldurada com auxílio do buril.

Cravação trilho ou carrê - as gemas são colocadas enfileiradas entre dois “trilhos” paralelos de metal, e fixadas entre o sulco feito nas laterais internas do metal e a borda superior do trilho.

Cravação bigodinho - esta cravação é feita assentando-se a gema em um furo na chapa de metal. Quatro “bigodinhos” são cortados da chapa de prata ou ouro e levantados para fixar a gema.
Cravação Invisível - as gemas são engastadas em uma malha de metal, que passa abaixo da cintura da gema. Todas as gemas devem ser preparadas para se encaixarem, sob pressão, à malha do metal. Desenvolvida pela joalharia Van Cleef & Arpels. + no historiadajoalheria.com

Cravação de gemas grandes - deve-se prever a entrada de luz lateral, pelo pavilhão da gema, através de aberturas no metal (galerias), que podem seguir o estilo da peça desenhada, formando desenhos decorados ou desenhos simples.

Cravação Tensão - a gema é fixada graças à força que um metal tenso exerce sobre ela.

Cravação para gemas de lapidação cabochon - por ter a base plana, este tipo de gema necessita de um aro de metal que exerça pressão em toda a volta, que por sua vez está soldado a uma base com abertura menor do que o tamanho da gema em sua parte inferior, permitindo sua fixação e a passagem de luz.

Cravação de pérolas e outras gemas esférica - para estes formatos naturais ou lapidados há a opção de montagem com fio passante, cuja terminação dependerá do tipo de criação da peça, e há a opção de colocar “conchas” com pino – este pino é colado no interior da gema.

Cravação de gemas em lapidação gota ou “briollet” - para este tipo de lapidação pode-se prever a colocação de “conchas” com pino de prata ou ouro, caso a gema seja lapidada com furo vertical, ou a aplicação de fios formando triângulos, argolas ou outras criações. Tanto num caso como no outro, estes pinos ou fios serão colados na furação da gema.

Cravação de gemas irregulares ou em estado natural - para cada tipo de peça deverá ser estudado o modo de cravação mais adequado, podendo-se partir da elaboração de aros de prata ou ouro com garras, ou partir do desenho de “conchas” com pino. Estas conchas podem ter formato cónico, redondo, quadrado, e etc. Dependendo da finalização das partes da gema a serem cravadas, de modo a valorizar sua beleza e mantê-la segura.



Cravação Estrela




















Cravação Inglesa












Cravação Bigodinho (designação brasileira)



















A JOALHARIA DE ARTE PÓS-MODERNA


Kate



A função da arte
Sábio filósofo grego, Aristóteles já dizia há dois mil anos que a arte é a ideia da obra, a ideia que existe sem a matéria. O executar, produzir e realizar é ao mesmo tempo o inventar, figurar e descobrir uma concepção dinâmica de poesia artística. Arte estimulante é essencial na vida de todo ser perspicaz, despertando o supra-sensível no homem. Ao expor em contexto sistemático seu conhecimento e filosofia, o artista retrata a visão de seu tempo e coloca a alma na obra, para atribuir-lhe um sentido. A criação artesanal é, na sua essência, a expressão emocional de um grupo, já a criação artística é a expressão racional de um indivíduo.

A função da jóia-arte
Joalharia contemporânea provém da arte e do ofício tradicional, das formas simbólicas do design abstracto e/ou geométrico e das variantes conceituais avant-garde, que testam os próprios limites da joalharia. Dessa forma, jóias de arte são peças inventivas, compostas a partir de ideias específicas, enaltecendo características únicas. Hoje, para criar a jóia-arte, são necessários símbolos engenhosos com os quais se possa ter um envolvimento mais efectivo. Joalharia artística, assim como escultura e pintura, revelam com clareza o estilo de quem a concebe e a usa.

Os diferentes processos no fabrico de jóias
Joalharia de autor é composta por peças feitas à mão pelo próprio mentor, mas nem sempre oriunda de projectos. Muitas vezes, essas jóias são determinadas por ensaios ou "fatalidades" que venham ocorrer durante a execução. Na joalharia industrial, o designer, usando a computação ou assistindo o modelador, produz protótipos para a seriação das peças, acabadas à mão. Nesses modelos, o escultural é destituído do seu aspecto tridimensional, comprometendo a força de expressão do autor e, portanto, sua originalidade. E na joalharia de arte, o artista em geral supervisiona a elaboração manual de cada projecto inovador, feito por um artesão de sua escolha que, se for preciso, crie suas próprias ferramentas para a realização das peças.

A contribuição da jóia artística para a joalharia
A busca do novo pelo novo, a arte para os média, não permite a experiência se acumular ou se aprofundar em significação artística. A tradicional arte da joalharia está longe de ser ditada por moda efémera, como se quer fazer crer. Ao contrário, de acordo com pesquisas recentes, as cores das gemas oscilam apenas entre tons fortes ou pastéis. Invenções inusitadas são imprescindíveis para o desenvolvimento tecnológico da indústria e para melhor orientar artífices em seus ofícios. Alavancando as vendas da indústria e agregando valor sem igual às exportações, a criação artística é uma ferramenta ímpar. Arte também edifica: a Tate Gallery moderna foi construída com o lucro do governo inglês da exposição solo do artista Damien Hirst, em Nova Iorque.

As classes distintas de joalharia
Arte regional é excludente... Todos compreendem uma peça do Feodor Dostoievsky, mas muito poucos entendem uma do Mauro Rasi sobre suas tias de Bauru. Ferreira Gullar em seu livro Argumentação contra a morte da arte nos esclarece: “A capacidade criadora do artista consiste em transcender o que é particular, regional, e erigi-lo em expressão universal. Quando o consegue, a obra se torna, por seu conteúdo, universal e, por sua forma, nacional. A obra de arte, antes de ser nacional, tem que ser obra de arte”.
No Brasil actual, o designer de jóias conceituais abre caminhos para o sector, mas é ainda visto como designer de jóias artesanais ou industriais, por falta de uma classe distinta de joalharia de arte. Portanto, cabe à classe consciencializar-se da importância de se organizar e conquistar seu próprio espaço, como acontece na Europa.


Adaptado de http://www.katesjewelry.com.br/artigo1.htm